sexta-feira, 31 de julho de 2015

Raposeira Espumante Super Reserva Bruto 2002 Branco

RAPOSEIRA SUPER RESERVA BRUTO 2002 BRANCO | ESPUMANTE | 13% | PVP  6,99€
MALVASIA, CERCEAL BRANCO
CAVES DA RAPOSEIRA, SA
85 / 100

Continuo a adorar brancos com idade. Gosto principalmente de ver as diferenças entre o ano de saída para o mercado e após algum tempo de guarda. Muitos deles melhoram e este é o caso. Um espumante de 2002 que quando "novo" aparecia um pouco escondido e sem graça. Hoje parece outro vinho. Começando pela cor amarela palha definido, praticamente sem nuances douradas, mostra bem o seu bom envelhecimento. Bolha persistente e fina. Aromas intensos, a mineralidade está mais presente e os fermentos escondidos deram lugar a agradáveis notas de pão e alguma fruta seca. Vivaz na boca, seco, perfil longo e deixar-me de sorriso na face.

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Quinta do Boição | Apresentação de Novas Colheitas Com Surpresa de 2000

A Quinta do Boição, produtor de vinhos da região de Bucelas, deu a provar as últimas novidades para o mercado em termos de vinhos espumante, branco e tinto. Numa prova comentada pelo Enólogo João Vicêncio foi ainda possível voltar um pouco no tempo e (com)provar a excelência da evolução dos brancos desta região com uma colheita datada do mítico ano de 2000.

QUINTA DO BOIÇÃO SPECIAL CUVEE EXTRA BRUTO 2008 BRANCO | BUCELAS | 12,5% | PVP 12,99€
ARINTO
ENOPORT PRODUÇÃO DE VINHOS SA
Cor amarelo citrino, palha aberto, definido, com bolha fina e persistente. Nariz com frutos secos e muita mineralidade. Na boca espuma cremosa, muito leve e fresca, boa acidez, seco e persistente.

BUCELLAS 2014 BRANCO | BUCELAS | 12,5% | PVP 3,99€
ARINTO
ENOPORT PRODUÇÃO DE VINHOS SA
Cor amarelo, químico e vegetal, tropical, praticamente sem cor, muito aberto e limpo. Aromas citrinos, algum floral, ainda fechado, mineral e fresco. Boca de perfil frutado, citrino, acidez no ponto, estaladiço, final longo. O clássico deste produtor que continua a não falhar. Jovem, mas gosto dele assim.

QUINTA DO BOIÇÃO RESERVA 2013 BRANCO | BUCELAS | 13,5% | PVP 7,99€
ARINTO
ENOPORT PRODUÇÃO DE VINHOS SA
Cor amarelo citrino, nuances esverdeadas, aspecto limpo. Aromas citrinos, tropical, toque da madeira bem encorporado, mineral e fresco. Na boca aparece redondinho, com uma acidez crocante, que nos faz desde logo a salivar, toque verde e citrino bem ligado com algum tostado, com corpo e final de boca longo. Uma óptima escolha dentro deste patamar.

QUINTA DO BOIÇÃO SPECIAL SELECTION OLD VINEYARDS 2010 BRANCO | BUCELAS | 13,5% | PVP 25€
ARINTO
ENOPORT PRODUÇÃO DE VINHOS SA
Cor amarelo definido, intenso, toque esverdeado e de aspecto límpido. Aroma intenso, aparece a madeira, algum fumo, frutos secos, tostado leve, com algum salino, fruta citrina e exótica. Bom conjunto. Boca com volume, ligeiro untuoso, com acidez vibrante e bem vincada, mineral e final longo. O topo de gama branco revela ser ainda uma boa aposta para a cave e à mesa fico a pensar em peixe assado no forno.

QUINTA DO BOIÇÃO RESERVA 2000 BRANCO | BUCELAS | 13,5% | PVP 5,50€
ARINTO
ENOPORT PRODUÇÃO DE VINHOS SA
Cor amarelo dourado, definido, aspecto limpo e brilhante. Perfil aromático hipnotizante. Adoro.  Na boca está ainda cheio de frescura e acidez. Seco, vibrante e longo. Dá prazer ao beber e convida-nos a pensar em comida, a pensei em mesa cheia de amigos, a partilhar este vinho. Venha uma caldeirada de peixe ou uma cataplana de tamboril.

QUINTA DO BOIÇÃO RESERVA 2010 TINTO | LISBOA | 14% | PVP 7,99€
SYRAH, CASTELÃO
ENOPORT PRODUÇÃO DE VINHOS SA
Cor granada, média concentração, limpo. No nariz reinam os aromas a fruta vermelha bem madura, fruta preta, algum terroso, turfa, especiado e fresco. Boa com boa acidez, equilibrado, com a fruta bem ligada com as notas de madeira, sempre num fundo bastante fresco. Final de boca longo e persistente.

QUINTA DO BOIÇÃO SPECIAL SELECTION OLD VINEYARDS 2008 TINTO | LISBOA | 14% | PVP 25€
TOURIGA NACIONAL, SYRAH
ENOPORT PRODUÇÃO DE VINHOS SA
Cor granada, média concentração, mais aberto no bordo do copo, aspecto limpo e de lágrima chorosa. Perfil aromático onde a fruta vermelha e preta bem madura se mostram bem ligadas com as notas tostadas e especiadas derivadas do estágio por 12 meses em barricas de carvalho francês. Na boca mostra-se cheio de garra, cheio, corpulento e opulento. Grande corpo. Está ainda jovem e pujante de vida, o que agrada em termos de longevidade, sendo que de momento, e aliado a pratos complexos e ricos, fará a alegria dos convivas.

terça-feira, 28 de julho de 2015

Palácio da Brejoeira | O Alvarinho e o Património

O Palácio da Brejoeira, verdadeiro ex-libris da região de Monção e do vinho produzido a partir da casta Alvarinho,  foi mandado construir no inicio do século XIX por Luís Pereira Velho de Moscoso, um abastado morgado, fidalgo da Casa Real e cavaleiro da Ordem de Cristo. A obra iniciou-se em 1806 e apenas 28 anos depois estaria concluída.

Alguns anos mais tarde, em 1901, com o Palácio em ruínas, é adquirido por um importante comerciante da cidade do Porto que, para além de recuperar o Palácio, constrói a Capela, o Teatro, o Jardim de Inverno, colocando a rede eléctrica e iniciando a construção/plantação do Bosque que rodeia o Palácio, do Lago e das Grutas.

Na década de 30 a propriedade muda novamente de mãos sendo adquirida pela família que actualmente ainda é residente no Palácio. Hermínia de Oliveira Paes, reestrutura toda a propriedade e procede à plantação e à comercialização do bem conhecido vinho de casta Alvarinho, o Palácio da Brejoeira.

A visita ao interior do Palácio, possível desde 2010, é uma verdadeira aula de história não só da família, mas de Portugal e da Arte. Verdadeiramente espantoso como se conseguiu trazer até aos dias de hoje, com um elevado grau de conservação, toda uma variedade de objectos que poderiam estar perdidos para sempre. Como não é possível fotografar o interior do Palácio deixo o link para a galeria oficial do mesmo.

Os Jardins e o Bosque circundante são de uma riqueza notável. Fazem lembrar algumas zonas da Serra de Sintra, do Parque da Curia ou da Quinta da Aveleda. Estes completam-se ainda por uma área de 18 hectares de vinha, em exclusivo com a casta Alvarinho, e com uma Adega Velha, com uma parte que hoje serve como espaço de exposição de antiga maquinaria relacionada com a produção do vinho.

Mais uma vez somos deixados de boca aberta com o estado de cada objecto e com a minúcia com que cada "cantinho" nos é apresentado e descrito. A visita é sempre efectuada por um guia profissional o que valoriza a visita.

Esta não é, no entanto, uma visita tipicamente para amantes do vinho. Neste momento, o Património parece ter bastante mais importância em toda a visita do que propriamente o vinho. As vinhas e a Adega são incorporadas em toda uma caminhada que aponta para a História, para a valorização do Património e para o valor do conjunto.
A prova do vinho no final da visita ou mesmo durante a visita será um must a adicionar e que agora não existe. Estranho nem sequer a sugestão da mesma ainda que fosse necessário o pagamento de um valor extra e, nesse caso, a prova ficaria à consideração do visitante. No entanto, é possível a comprar os vinhos e outras recordações no final da mesma.

___________________________________________
PALÁCIO DA BREJOEIRA
Palácio da Brejoeira - Viticultores, SA
Pinheiros 4950-660 MONÇÃO - PORTUGAL
Telefone: +351 251 666 129
Mail: recepcao@palaciodabrejoeira.pt 

Aberto ao público de Terça a Domingo das 09:30h às 12:00h e das 14:00h às 17:30h
Visita ao interior do Palácio, Capela, Jardins, Vinhas e Adega Antiga.
3€    | Bosque, Vinhas e Adega Antiga
5€    | Palácio, Jardins e Capela
7,5€ | Visita Completa

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Foral De Alcochete | Vinho, Comida, Música e Arte Sacra

O Núcleo de Arte Sacra do Museu Municipal de Alcochete foi palco para o lançamento dos vinhos Foral de Alcochete. A Câmara Municipal de Alcochete e a Sociedade Agrícola de Rio Frio uniram-se num projecto que vai para além dos próprios vinhos. É o vinho, a comida da região, a envolvência pela música e arte sacra.

Vinhos que não devem ser vistos apenas como vinhos, mas como uma extensão de Alcochete e com uma identificação clara com o Município, com a Terra. Pela mão do Enólogo Mário Jorge Andrade, nasceram um branco e um tinto cuja composição, ao nível das castas utilizadas, tenta também ter uma ligação à terra, à história, à vida de Alcochete.
Com uma ementa preparada pelo Restaurante Solar do Peixe foram provados os vinhos, e a gastronomia, ao som da música ao vivo ao som da Harpa e num espaço dedicado à  arte sacra. Assim se viveu Alcochete.
FORAL DE ALCOCHETE 2014 BRANCO | PENÍNSULA DE SETÚBAL | 12,5% | PVP 6,99€
FERNÃO PIRES, ARINTO, ANTÃO VAZ
SOCIEDADE AGRÍCOLA DE RIO FRIO, SA
Cor amarelo citrino, leves esverdeados, aspecto jovem. Nariz onde a fruta predomina, nota de citrinos, alguma fruta de caroço, tostado muito leve, quase imperceptível. Na boca ligeira untuosidade, com acidez equilibrada, muito citrino, de final média longo. As Ovas e as Lulas Grelhadas com Legumes Salteados foram a ligação escolhida com sucesso.

FORAL DE ALCOCHETE 2014 TINTO | PENÍNSULA DE SETÚBAL | 13% | PVP 6,99€
CASTELÃO, SYRAH
SOCIEDADE AGRÍCOLA DE RIO FRIO, SA
Cor violeta carregado, concentrado, aspecto limpo. Nariz cheio de fruta vermelha e preta bem madura, tostado mais notado, especiarias e algum cacau, num conjunto cheio de frescura. Boca com estrutura, taninos presentes, alguma secura, continuação da fruta, fresco e de final longo. Os Lombos de Bacalhau com Batata a Murro criaram a harmonização no prato. A frescura do vinho ligou muito bem com a untuosidade da prato.

domingo, 26 de julho de 2015

Vinhos no Lidl | Oferta Com Qualidade a Baixo Preço

As lojas Lidl continuam a apostar no contínuo reforço da sua oferta de vinhos apostando, cada vez mais, na qualidade. O reconhecido Enólogo português Carlos Lucas junta-se agora a esta equipa passando a ser o especialista para vinhos desta casa.
Assim, não será surpresa, que os vinhos comercializados pelo Lidl, alguns deles em exclusivo, sejam cada vez mais reconhecidos em concursos da especialidade e em alguns dos mais importantes como o International Wine Challenge 2014, o Concours Mondial Bruxelles 2014 ou o Portugal Wine Trophy 2014. 
No Portugal Wine Trophy 2015 os vinhos comercializados em exclusivo pelo Lidl voltaram a ser reconhecidos, neste caso com 10 referências, das quais 8 premiadas com Medalha de Ouro e 2 com Medalha de Prata.
Curiosidade então para provar algumas destas referências.  O PAÇO DO BISPO RESERVA 2013 TINTO, um Doc Palmela feito a partir das castas Castelão, Syrah e Touriga Nacional, com perfil aromático com muita fruta vermelha madura, notas de madeira presentes e boca com boa estrutura, equilibrado e pronto a servir de companhia à mesa a pratos de carne, pratos fortes e bem temperados.
O EMBUÇADO 2013 TINTO, um alentejano fácil de se gostar, com fruta madura e boa frescura no nariz, estando suave de boca, polido e pronto a beber sem grandes preocupações. Um tinto interessante para o Verão devido à sua frescura e leveza.
Por último provei o branco VINHA DO ROSÁRIO 2014 da Península de Setúbal, com o Fernão Pires e o Moscatel Graúdo na base, aromas intensos e perfumados, flor de laranjeira e fruta tropical, leve, algo adocicado e com apenas 10,5% de álcool. Perfeito para os dias de calor, à beira da piscina, para beber despreocupadamente,sem receios e a cerca de 1,50€ por garrafa.

sábado, 18 de julho de 2015

Entrevistas Mundanas na Revista de Vinhos Comigo Mesmo!

Para quem quiser saber mais um pouco basta ler a Revista de Vinhos deste mês e ler o que o Luís Antunes preparou para mim.

sexta-feira, 17 de julho de 2015

Quinta dos Plátanos no Il Matriciano em Lisboa

A histórica Quinta dos Plátanos, produtora de vinhos Doc Alenquer, da região Lisboa, anteriormente Estremadura, apresentou os seus vinhos num jantar no restaurante italiano Il Matriciano em Lisboa. O objectivo foi apresentar algumas novidades, mostrar imagem renovada e fazer o casamento perfeito dos mesmos com alguns pratos da cozinha italiana.
Em conjunto, Joaquim Arnaud, Luísa Arnaud e Artur Corrêa de Sá (Pai de Luísa) foram os anfitriões da noite, recebendo os participantes com os seus vinhos e a comida do Chef Maurizio Traina.

O Enólogo da Quinta dos Plátanos, Jorge Páscoa, preparou cada néctar com minúcia e participou activamente ´na apresentação dos vinhos e no esclarecimento de dúvidas que foram surgindo pelos participantes. Valiosa participação.

Ainda em modo de recepção foi servido o QUINTA DOS PLÁTANOS 2010 tinto com umas espedadinhas de Carne de Borrego (Arrosticini) feitas ao momento que se tornaram viciantes a partir de um determinado momento. Este colheita 2010, criado a partir das castas Touriga Nacional, Cabernet Sauvignon e Syrah, mostrou-se fresco, vivaz, ainda com muita fruta vermelhas e a resultar numa bela ligação.

Seguiu-se o primeiro branco. O QUINTA DOS PLÁTANOS 2013 que fez companhia em primeiro lugar antispati Mozzarella Di Búfala Con Prosciutto Di Parma  e logo de seguida ao Melazane Alla Parmiggiana (Beringela com Queijo Parmesão, Mozzarella e Molho de Tomate). Excelente escolha. Este branco, com uma acidez bem viva e estaladiça, surpreende quando a casta predominante é o Fernão Pires sobre a Arinto. Perfeito na untuosidade dos pratos e nos sabores fortes da beringela com o molho de tomate.

Já na gama PLÁTANOS, com imagem mais moderna e já com a mão de Joaquim Arnaud no projecto, um branco monocasta. O PLÁTANOS ARINTO 2013 em ligação com Tagliatelle Al Tartufo (Tagliatelle com Trufas). Um Arinto com uma acidez brutal, citrino e quando se pensa que poderia ser ainda muito novo, a verdade é que cai que nem ginjas no óleo de trufas deste prato. este tenho de o conhecer com mais tempo, mas será sem dúvida um branco para crescer em garrafa.
Após um momento X-factor, que falarei mais tarde, pois trata-se de um vinho surpresa de Joaquim Arnaud ainda em fase de finalização que contém, segundo o próprio, 2% de malvadez na sua constituição, passámos ao último tinto da noite, ou seja, o PLÁTANOS TOU NOIR 2010 Tinto.

Como o próprio nome deixa entender, trata-se de um Touriga Nacional / Pinot Noir que foi à mesa com o Lombo de Porco Estufado e Puré de Batata. Ligação simples, mas merecedora de atenção. Um vinho em grande momento de forma que se mostrar cheio de frescura, equilibrado e pronto para beber. Muito gastronómico e grande ligação com o molho da carne.

Para acompanhar a sobremesa, e continuando em casa, o mais recente MOSCATEL DE SETÚBAL JOAQUIM ARNAURD do ano 2012. O Tiramisu Crostate Artigianali di Ricotta e Cioccolato foi o grande desafio para esta colheita mais fresca e com mais acidez do que a anterior. Equilibrado, com o adocicado já esperado a ser bem acompanhado pela sua maior acidez e frescura.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails