quarta-feira, 27 de Agosto de 2014

Coisas Que Me Irritam: O Flute Gelado e o Vinho Branco

O copo flute, termo que vem da língua francesa para flauta, é considerado o copo de excelência (por enquanto) para beber o vinho espumante e o champanhe pois preserva durante mais tempo as bolhinhas que tanto apreciamos, mantém a bebida fresca durante mais tempo e tem aquele look elegante que certeiramente encaixa com a imagem deste tipo de bebida. Sendo também que o espumante/champanhe não necessita, por norma, copos maiores e mais largos como um tinto ou um branco. Quanto a isso estamos falados.
Agora, directamente para a lista de "Coisas Que Me Irritam" surge o facto, de cada vez mais ver nos restaurantes portugueses servirem o vinho branco em flutes completamente gelados ou à beira do congelados. Mas que raio de moda ou sabedoria é esta que me quer servir vinho branco, seja ele novo ou com idade, normal colheita e até reserva com estágio em barrica, em copos deste género completamente gelados?
Há pouco tempo, num restaurante com uma bela carta de vinhos, pedi um vinho branco de 2009. Apareceram-me à mesa com a garrafa gelada e dois flutes que até gelo tinham no bordo do copo. Aventurei-me. Ganda maluco. Perguntei se não tinham outro tipo de copo. Tipo de tinto, mas não tão grande. O que fui dizer...  A resposta foi conclusiva. Temos - disse o empregado - mas esses não estão na arca frigorífica. Tem a certeza que não quer esses. Olhe que são os correctos para o vinho que vai beber. Raios parta essa escola de hotelaria que por aí anda a ensinar estas coisas!
No último fim de semana. Restaurante marisqueira com uns vinhos engraçados. Reparo que na mesa ao lado um casal turista estrangeiro escolhe um bom vinho branco, caro, com estágio em madeira e até comento que havia sido uma grande escolha. Quando olho outra vez para a mesa o vinho está a ser servido nuns flutes de pé alto e com uns elegantes 2/3cm de copo. Bardamerda com isto!

sábado, 23 de Agosto de 2014

Brett Edition 2009 Tinto

Características
Tipo: Vinho Tinto
Castas: Syrah
Região: Alentejo
Teor Alcoólico: 14,5%
Produtor: Sociedade Agrícola da Herdade do Arrepiado Velho, SA
Preço: 20€ vap

Nota de Prova
Abrir uma garrafa e encontrar nos seus aromas o que por muitos é descrito como "suor de cavalo" é considerado desde logo defeito. Embora exista uma divisão de opiniões acerca deste tema e, como eu, nem sempre julguem este factor como mau, o Brett, cujo nome provém da levedura Brettanomyces e que causa estes aromas a suor de cavalo, couro, cabedal e outros mais, está como dado adquirido aos profissionais do vinho como sendo um defeito. Seria, no mínimo, ousado que um produtor o fizesse deliberadamente, estariam a pensar... todavia a Herdade do Arrepiado teve essa ousadia e tem vindo a provocar opiniões com este Brett Edition. Não se trata, como é evidente, de um vinho consensual e numa mesa podemos encontrar certamente apoiantes dos dois lados, mas o resultado é de facto um vinho com muita complexidade, desafiante e mesmo apaixonante. Nos aromas o já esperado toque a cabedal e couro está bem ligado com muita fruta madura vermelha e preta, caixa de charuto e folha de tabaco. Enquanto na boca surge polido, redondo, com frescura e com final comprido. Com carnes bem temperadas e assadas no forno ou mesmo com queijos de pasta mole fará uma boa ligação.

Classificação: -/100

sexta-feira, 22 de Agosto de 2014

Marquês de Marialva Blanc de Blancs 2011 Branco Bruto

Características
Tipo: Vinho Espumante Branco
Castas: Arinto, Bical e Maria Gomes
Região: Bairrada
Teor Alcoólico: 12,5%
Produtor: Adega Cooperativa de Cantanhede, CRL
Preço: 3,99€ vap

Nota de Prova
A região da Bairrada produz, para mim, os melhores espumantes portugueses. Nada de novo ou surpreendente até aqui. O que para mim é surpreendente ou, mais uma vez, até não será, é o facto deste Marquês de Marialva ser produzido numa Adega Cooperativa (AC) e a um preço muito acessível. Tenho acompanhado recentemente os vinhos desta AC e há uma clara subida de qualidade que não podemos esconder. Uma prova que as Adegas Cooperativas são cada vez mais um caso sério de qualidade a preço muito competitivos. Apresenta cor citrina e limpa, bolha fina e persistente. No nariz está muito elegante, com a fruta citrina, maça verde e algum marmelo a sobressairem num conjunto onde temos também algum fruto seco. Na boca primeira nota para um mousse fresca e elegante, acidez bem colocada e a ser companhia ideal para uma refeição de tapas com alguma gordura. Que nem ginjas. Boa relação qualidade - preço

Classificação: 79/100

quinta-feira, 21 de Agosto de 2014

Vinha do Monte 2013 Rosé

No inicio da apresentação do Trinca Bolotas pela Sogrape Vinhos no Restaurante Largo foi-me dado a conhecer o Rosé Vinha do Monte produzido na Herdade do Peso. Devo confessar que me agradou e que encaixou na perfeição num dia de calor e num breve momento de espera e conversa que se gerou enquanto se degustava umas tapas leves à base de conservas.

VINHA DO MONTE 2013 ROSÉ | ALENTEJO |  3,79€
TOURIGA NACIONAL, SYRAH
Cor rosada intensa, cor de morango e framboesas, de aspecto límpido. No nariz surge delicado, sem uma exuberância doce e enfadonha, com fruta vermelha fresca, novamente o morango e a framboesa a marcarem presença, com leves notas vegetais em fundo. Boca com frescura, acidez equilibrada e onde o perfil mais frutado e sumarento se destaca. Algum volume de boca mostra que pode ir para além do simples rosé de piscina.
CLASSIFICAÇÃO PESSOAL:  79/100

quarta-feira, 20 de Agosto de 2014

Dr. Loosen Graacher Himmelreich 2007 Riesling Spatlese

Características
Tipo: Vinho Branco
Castas: Riesling
Região: Mosel, Alemanha
Teor Alcoólico: 8,5%
Produtor: Dr. Loosen
Preço: 12€ vap

Nota de Prova
Encontro-me outra vez com um Riesling no copo. Alemão, da região de Mosel, fresco e com uma leveza extraordinária. De facto viciante quando se junta o baixo teor alcoólico e algo para picar, como aperitivo, picante leve ou mesmo um caril bem confeccionado. Já com alguns anos de guarda, este riesling apresenta ainda um cor muito limonada, sem grandes nuances provocadas pelo tempo. Aromas com algum petróleo, fruta citrina, laranja, perfil um pouco adocicado, mineral e fresco. Na boca surge leve, acidez equilibrada, perfil frutado, muito sumo citrino e sem dúvida em boa forma.

Classificação: 85/100

terça-feira, 19 de Agosto de 2014

Quinta dos Roques Alfrocheiro 2010 Tinto

Características
Tipo: Vinho Tinto
Castas: Alfrocheiro
Região: Dão
Teor Alcoólico: 14,5%
Produtor: Quinta dos Roques, Lda
Preço: 18€ vap

Nota de Prova
A casta Alfrocheiro, tantas vezes esquecida e apenas dada a lotes, aqui numa verdadeira demonstração da sua qualidade em produzir grandes vinhos. Apresenta cor rubi concentrado, intenso, com violáceos carregados e bem definidos. Nariz com a exuberância da fruta vermelha e preta bem madura,morangos maduros, amoras de árvore, guloso e fresco, com notas especiadas bem colocadas e com belo perfume floral.Boca com acidez, vivaço e brigão, com muitas notas vegetais e algo herbáceas, muita frescura e com fruta vermelha madura. Grande equilíbrio num vinho cheio de estrutura e garra. Final de boca longo e a mostrar que temos vinho para durar muito tempo.

Classificação: 89/100

segunda-feira, 18 de Agosto de 2014

Trinca Bolotas 2013 Tinto

A Sogrape Vinhos apresentou no passado 15 de Julho, no Restaurante Largo, a sua mais recente referência nascida na Herdade do Peso: o Trinca Bolotas.

O nome e o excelente trabalho de imagem da garrafa fazem com que a viagem até ao Alentejo seja imediata. Há uma relação vinho-região da qual não nos conseguimos abstrais. Facilmente o ligamos às planícies alentejanas, aos sobreiros, ao porco alentejano, à gastronomia desta região e sem dúvida ao pastoreio.
Com a mão do Enólogo Luís Cabral de Almeida chega um tinto alentejano com muita frescura, com um primeiro objectivo de lançamento para a restauração, mas que em breve poderá ser encontrado nos habituais pontos de venda ao consumidor final.

TRINCA BOLOTAS 2013 TINTO | ALENTEJO |  5,99€
ALICANTE BOUSCHET, TOURIGA NACIONAL, ARAGONEZ
Cor vermelho intenso, definido, de média concentração, aspecto limpo. Aromaticamente muito equilibrado, fruta madura vermelha e preta, ameixas preta, madeira bem posicionada, fresco. Na boca surge com vivacidade, um pouco austero de inicio mas cheio de estrutura, com boa acidez, fruta madura fresca, com final muito fresco e persistente. Fresco. Servido à temperatura certa..
CLASSIFICAÇÃO PESSOAL:  82/100

 O prato escolhido pelo Chef Miguel Castro Silva para casar com o Trinca Bolotas foi um delicioso e intenso Cachaço de Porco . Grande ligação!

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails