segunda-feira, 20 de Outubro de 2014

Murganheira Malvasia Fina 1999 Branco

Características
Tipo: Vinho Branco
Castas: Malvasia Final
Região: Beiras - Doc Távora Varosa
Teor Alcoólico: 11,5%
Produtor: Sociedade Agrícola e Comercial do Varosa, SA
Preço: 3€ vap

Nota de Prova
De regresso ao ano de 1999. Sem receio ou medo do que vou encontrar. Confio no produtor, na região e na casta para o vinho que espero encontrar. Curioso como na cor se apresenta ainda sem as tonalidades mais douradas que seriam de esperar com esta idade e o nariz está delicioso, com notas de fruta seca, biscoito de manteiga, ainda com fruta citrina, frescura e mais complexo do que esperaria desta casta. Na boca acidez vivaz, com boa secura, fruta que apetece beber e um final de boca médio longo. Portou-se muito bem com marisco cozido e por este preço é sem dúvida a considerar.

Classificação Pessoal: 87/100

domingo, 19 de Outubro de 2014

Coisas Que Me Irritam: Olhem a Temperatura do Vinho Caraças!!!

A temperatura ideal para beber o vinho é motivo para mais uma das minhas irritações com o que vou vendo à minha volta. Desta vez é caso para dizer que em certas ocasiões até comigo me irrito quando sirvo um vinho com a temperaturas completamente erradas.Uma desgraça para o coitado do vinho que merecia mais respeito.
Ao longo da história é possível e fácil encontrar em qualquer livro ou site da especialidade uma referência para o intervalo de temperaturas a que cada vinho deverá ser consumido, todavia nos últimos anos as coisas têm vindo a mudar ligeiramente. Certas percepções já não são tão exactas como o eram. E algumas práticas no servir do vinho caíram mesmo em desuso.
No entanto, o que me irrita mesmo é quando pessoas que vivem do vinho, e por isso o deviam tratar melhor, cometem as maiores atrocidades neste capitulo da temperatura. A quantos de nós já aconteceu, em espaços de restauração, pedir um tinto mais fresco ou mesmo um frapé para colocar um tinto a refrescar e ouvir num imediato: "O vinho tinto é para beber à temperatura ambiente!"? Ou após nossa insistência ouvir "Ó Antunes, o cliente da mesa 7 quer tinto fresco. Aparece-me cada maluco por aqui!". Já para não falar dos olhares que dizem todos os nomes com que estamos a ser chamados. Já começam a existir excepções, mas continua a ser muito habitual encontrar o vinho que mais "sai" num restaurante arrumado junto à máquina do café.
Largando a restauração e agarrando os eventos de prova que vão surgindo como cogumelos por todo o lado. Há quanto tempo se organizam este tipo de eventos? Quantas edições existem deste e daquele e do outro evento com centenas de vinhos em prova? e em quantos deles a maior parte dos vinhos se apresentam com temperaturas muito acima do recomendado? ... deixa ver... em TODOS!!! E se em todos acontece esta aventura porque continuamos a não corrigir essa situação de ano para ano ou de evento para evento?
Tintos quentes, brancos gelados e consumidores desinformados. Alguém é capaz de ajudar nesta contenda?


quinta-feira, 16 de Outubro de 2014

Kook Chiado Abre Portas

O primeiro restaurante do grupo angolano Kook, em Portugal, já abriu portas com um espaço que pretende mostrar vários tipos de cozinha num único local. O Sushi continua a marcar posição de destaque, uma presença obrigatória e direi mesmo uma imagem de marca que já o acompanha, mas também é possível contar com sabores da cozinha tradicional portuguesa ou a cozinha africana, mais especificamente a angolana. 
O projecto “Kook” surge quando Pedro Batista e Rui Rosário, amigos de longa data, unem as suas capacidades de gestão e paixão pela culinária e decidem apostar numa área de actividade diferente das suas áreas profissionais. Luanda foi o inicio da aventura e o sucesso fez com que a vontade de trazer este conceito para Portugal se tornasse realidade.
O Kook Chiado é um espaço acolhedor, traço limpo e minimalista, com um bar logo à entrada a convidar quem espreita a entrar e com as mesas de restaurante um pouco mais adiante. Lugar também para boas referências de vinho, não faltando espumantes e champanhes de qualidades, com copos e acompanhamento a prometer um boa experiência. 
As expectativas de Pedro Baptista e Rui Rosário são enormes até porque esta poderá não ser a última paragem por terras onde a língua portuguesa é oficial. São Paulo poderá ser o próximo destino. Quem sabe?

quarta-feira, 15 de Outubro de 2014

Herdade do Esporão Touriga Nacional 1999 Tinto

Características
Tipo: Vinho Tinto
Castas: Touriga Nacional
Região: Alentejo
Teor Alcoólico: 13,5%
Produtor: Finagra, SA
Preço: 10€ vap

Nota de Prova
O que dizer quando encontramos vinhos com esta idade e com pelos quais ficamos apaixonados pela sua excelência de forma, pela sua estrutura, jovialidade e prazer. O que dizer quando nos conquistam os sentidos. Sem dúvida um vinho que não poderia ficar sem conhecer. Cor ainda com boa concentração, opaca no núcleo e com nuances de castanho e tijolo no bordo. A querer esconder aqui um pouco a sua idade. No nariz a frescura da fruta silvestre madura e as notas florais das violetas cativam num casamento perfeito com notas especiadas, tosta e ligeira baunilha. Complexo e apaixonante. Boca cheia de vida, vivaço, com taninos seguros e cheio de estrutura. Estes 15 anos não lhe causaram mossa. Está um vinhão. Com um final de boca fresco, longo e de uma elegância extraordinária.

Classificação Pessoal: 90/100

terça-feira, 14 de Outubro de 2014

Quinta do Pôpa | O Douro desceu a Lisboa no EPIC SANA Lisboa Hotel Restaurante Flor-de-Lis

A Quinta do Pôpa veio a Lisboa apresentar as suas novidades. Stéphane Ferreira, com a sua irreverência, jovialidade e informalidade que o caracterizam, rapidamente colocou todos os convidados à vontade fazendo com que o espaço do do Restaurante Flor-de-Lis do EPIC SANA Lisboa Hotel, onde se realizou a prova, fosse quase uma extensão da sua sala de provas em pleno Douro.

PÔPA 2013 BRANCO | DOURO | 13% | PVP 10€
VIOSINHO, CERCEAL, RABIGATO, FOLGAZÃO
Cor amarelo citrino, aberto, translúcido e de aspecto limpo. Aromas citrinos, muita frescura e mineralidade. Boca com acidez alta, sequinha, perfil sumarento cheio de citrinos e com bom comprimento de boca.

PÔPA 2012 TINTO | DOURO | 14% | PVP 10€
TINTA RORIZ, TOURIGA NACIONAL, TOURIGA FRANCA, VINHAS VELHAS
Cor rubi de média concentração, violeta cheios de juventude e aspecto limpo. Nariz com exuberância de fruta vermelha e preta madura, especiado, correcto e pronto a beber. Boca com vida, acidez e taninos vivos, corpo, fruta madura bem colocada, sem dúvida pronto a ir à mesa. Final de boca longo.

PÔPA TN 2009 TINTO | DOURO | 13,5% | PVP 16€
TOURIGA NACIONAL
Cor ligeiramente granada, média concentração, aspecto límpido. Aromas com predominância das notas florais bem ligadas a um conjunto com fruta preta, ligeiros especiados, algum couro que liga muito bem no conjunto com frescura. Boca fresca, taninos presentes e definidos, acidez equilibrada sempre muita elegância. Num momento de forma excelente e para juntar à mesa.

PÔPA TR 2009 TINTO | DOURO | 14% | PVP 22€
TINTA RORIZ
Cor granada, violetas definidos e de média concentração. Aromas onde a fruta vermelha e preta está dominante mas sem se impor de forma exuberante, com elegância, algum cacau e tosta leve num perfil fresco. Boca em grande equilíbrio, com corpo e estrutura pronta a seguir para a mesa e acompanhar gastronomia regional, acidez equilibrada e final de boca longo.

PÔPA VINHAS VELHAS 2009 TINTO | DOURO | 14% | PVP 25€
VINHAS VELHAS COM MAIS DE 60 ANOS
Cor rubi intenso e concentrado, mais aberto no bordo do copo, aspecto limpo. No nariz surge com muita fruta preta, alguma silvestre, com notas especiadas e tostadas bem ligadas e sem marcar em demasiado o conjunto. Boca cheia, estrutura bem composta, quase que mastigável e com a fruta toda presente. Final de boca longo, fresco e guloso.

PÔPA 2012 TINTO DOCE | DOURO | 11% | PVP 17€
VINHAS VELHAS
Cor de nuances violetas definidos e bonitos. Aromas cheios de fruta madura, compota, fresco e directo. Na boca enche o palato, fruta doce, mas não demasiado e funcionando como uma excelente opção para uma sobremesa de chocolate.

Vinhos de qualidade, com carisma, para beber já ou para guardar, com uma excelente opção para sobremesa ou aperitivo e sempre com irreverência.

segunda-feira, 13 de Outubro de 2014

Adegamãe Viosinho 2013 Branco

Características
Tipo: Vinho Branco
Castas: Viosinho
Região: Lisboa
Teor Alcoólico: 13,5%
Produtor:  Adega Mãe - Sociedade Agrícola, Lda
Preço:
6,99€ vap

Nota de Prova

Na presença de mais um monocasta deste produtor e com mais uma casta que usualmente vemos noutras regiões vitivinícolas. Desta vez um Viosinho com a qual conheço alguns vinhos bem interessantes nascidos na região de Lisboa. Ganha muita vida com a proximidade do mar. Cor citrina, nuances esverdeadas leves, aspecto límpido e brilhante. Nariz citrino, vegetal, notas de mar e um fundo mineral envolvente. Boca vivaz, acidez a secar o palato, a fazer salivar, citrino, toranja salino bem ligado com travo vegetal e mineral. Final de boca longo e cheio de frescura. A sopa de peixe agradeceu. 

Classificação: 87/100

domingo, 12 de Outubro de 2014

Prova de Ouros e Grandes Ouros do Concurso Vinhos de Portugal na Sala Ogival de Lisboa | Região Tejo e Lisboa

No passado dia 27 de Setembro fui conhecer melhor alguns dos Ouros e Grandes Ouros do Concurso Vinhos de Portugal 2014 das regiões Tejo e Lisboa.
Vasco Avillez, presidente da CVR de Lisboa, foi orador e condutor da prova na Sala Ogival de Lisboa perante uma sala esgotada de interessados participantes que deste modo permitiram um saudável e enriquecedor diálogo ao longo da mesma.

CASAL DO CONDE 2013 BRANCO | 13% | DOC TEJO | PVP €
ALVARINHO
Sociedade Agrícola Casal do Conde, SA
OURO
Cor citrino, ligeiros esverdeados, não muito pronunciado. Aromas citrinos, alguma lima, fruta de caroço, toque mineral e fresco. Boca com acidez bem colocada, equilibrado com a fruta, sequinho, faz-nos salivar. Mineral e limpo. Final de boca longo.
80/100

PLANÍCIE 2013 BRANCO | 12,5% | DOC TEJO | PVP €
FERNÃO PIRES
Adega Cooperativa de Almeirim, CRL
OURO
Cor citrino, aspecto jovem. Aroma intenso a fruta tropical, alguma manga, abacaxi e algo doce. Na boca surge com mais frescura onde o perfil sumarento a fruta citrina predomina, num conjunto correcto e alinhado. Final de boca de média duração.
80/100

VALE DE LOBOS 2013 BRANCO | DOC TEJO | 12,5% | PVP €
Sociedade Agrícola da Quinta da Ribeirinha, Lda
OURO
Cor citrina, aspecto jovem e brilhante. Aromas intensos a fruta tropical, algum citrino, lima, toque leve vegetal e fresco. Na boca surge com acidez estaladiça, fruta de caroço e citrinos, equilibrado e com ligeiro toque untuoso que lhe dá algum volume de boca. Final de boca longo.
82/100

CABEÇA DE TOIRO RESERVA 2013 BRANCO | DOC TEJO | 13,5% | PVP €
ARINTO, CHARDONAY, SAUVIGNON BLANC
Enoport United Wines, SGPS
OURO
Cor amarelo citrino, definido, ligeiros esverdeados e aspecto límpido. Aromas delicados, sem serem exuberantes mas com a fruta tropical e alguma citrina presentes, ligeiro maracujá e toque verde fresco. Acidez de boca no ponto, crocante, vivaz, com muita fruta fresca e sumarenta. Sente-se um vinho com algum corpo e estrutura e já apontando à mesa. Final de boca longo.
85/100

CASA SANTOS LIMA SAUVIGNON BLANC 2013 BRANCO | CVR LISBOA | 13% | PVP €
SAUVIGNON BLANC
Casa Santos Lima
OURO
Cor citrina, quase transparente, aspecto novo e limpo. Aromas cheios de maracujá e muito mineral e fresco. Paladar fresco, acidez elevada e equilibrada com a fruta. Conjunto fresco com final prolongado.
83/100

MULA VELHA PREMIUM 2012 TINTO | CVR LISBOA | 13,5%| PVP €
SYRAH, TOURIGA NACIONAL E ALICANTE BOUSCHET
Parras Vinhos, Lda
OURO
Cor rubi concentrada, violetas definidos, aspecto jovem. Aromas pronunciados a fruta vermelha e preta madura, notas especiadas, cacau e de tosta leve e fresco. Boca com estrutura, boa acidez, alguma secura e adstringencia, fruta fresca, pronto a beber, com toque especiado e final de boca persistente.
84/100

CHOCAPALHA VINHA MÃE 2010 TINTO | CVR LISBOA | 14,5% | PVP €
TOURIGA NACIONAL, TINTA RORIZ, SYRAH
Casa Agrícola das Mimosas
OURO
Cor rubi, concentrado no núcleo, mais aberto e de tonalidades violetas no bordo do copo. No nariz surge um pouco marcado pela barrica, com especiados leves, fruta preta silvestre, algum terrosso, fumado e cheiro a bosque. Surge cheio de força, estrutura, taninos expressivos, marcados e cheio de fruta fresca. Surge bem equilibrado com toque especiado e vegetal. Final de boca longo. De durar. Está novo.
89/100


OPACO 2011 TINTO | CVR LISBOA | 13,5% | PVP €
SOUSÃO, ALICANTE BOUSCHET
Casa Santos Lima
GRANDE OURO
Cor rubi intenso, concentrado, fechado, violeta escuro e definido. Aroma com fruta preta silvestre madura, frutas do bosque, alguma cacau, especiado e com fumados definidos. Muito equilibrado. Boca de taninos definidos, marcados, vivaz, corpulento e cheio de estrutura. Fruta com frescura e bem rodeada dos predicados que lhe chegam pelo estagio de 16 meses em barrica nova que, felizmente, não marca em demasia o vinho. Belo conjunto. Final persistente.
90/100

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails